Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Soldado do Exército da Colômbia caminha pelas ruínas da igreja de Bojayá, no departamento de Choco, em 8 de maio de 2002, destruída por um morteiro caseiro lançado pelas Farc

(afp_tickers)

As autoridades da Colômbia concluíam, neste domingo (21), a exumação de 57 corpos de vítimas do massacre de Bojayá, cometido pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em 2002 e uma das mais graves do conflito armado, antes de identificá-los e entregá-los aos familiares.

"No dia de hoje (domingo), está sendo realizada a extração para levar esses corpos recuperados, ou esses restos recuperados, para (a cidade de) Medellín", declarou o diretor da Unidade de Justiça Transicional da Procuradoria, Carlos Villamil, em entrevista coletiva.

O procedimento começou em 3 de maio e ainda "faltam 32 exumações", segundo Villamil, acrescentando que é possível que mais corpos sejam encontrados.

Inicialmente em 79 óbitos, o número de mortos do massacre pode chegar a pelo menos 90.

Em 2 de maio de 2002, morreram em Bojayá pelo menos 79 pessoas que haviam-se refugiado em uma igreja, buscando abrigo em meio aos confrontos entre as Farc e os grupos paramilitares na época. A tragédia aconteceu quando um artefato explosivo lançado pelas Farc alcançou a igreja.

Em dezembro de 2015, durante o processo de diálogos de paz com o governo, as Farc pediram perdão pelo massacre contra a população civil.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP