Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente afastada Dilma Rousseff, em Brasília, no dia 12 de maio de 2016

(afp_tickers)

O governo da Colômbia fez votos nesta quinta-feira para que se preserve "a estabilidade" e a "institucionalidade democrática" no Brasil, após o afastamento do cargo da presidente Dilma Rousseff.

"Na atual conjuntura, a Colômbia confia na preservação da institucionalidade e da estabilidade, fundamentos indispensáveis do Estado de Direito", diz um comunicado da chancelaria colombiana.

"A estabilidade do Brasil é muito importante para toda a região por sua influência e liderança", também destacou o texto, no qual o Ministério das Relações Exteriores da Colômbia garante ter "seguido de perto o transcurso dos fatos ocorridos nas últimas semanas" no país.

Dilma, a primeira mulher eleita presidente do Brasil, foi afastada e substituída temporariamente nesta quinta-feira na Presidência por seu vice, Michel Temer, depois que o Senado decidiu submetê-la a um julgamento político, em uma longa sessão que durou quase 20 horas.

Em um pronunciamento logo após anunciada a decisão, a presidente Dilma pediu à população que se mobilize para resistir ao que chama de "golpe" contra ela e defender a democracia.

AFP