Navigation

Colômbia nega que esteja por trás de apagões na Venezuela

(Março) Vista de bairro de Caracas durante apagão afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 08. abril 2019 - 18:01
(AFP)

O governo de Iván Duque negou nesta segunda-feira as acusações do presidente Nicolás Maduro, segundo quem a Colômbia estaria envolvida em ataques cibernéticos contra o sistema elétrico que causaram apagões maciços na Venezuela.

"Tais acusações não têm qualquer fundamento e pretendem confundir a opinião pública e encobrir a responsabilidade do regime ilegítimo liderado por Nicolas Maduro na crise multidimensional na Venezuela", declarou o ministério das Relações Exteriores em um comunicado.

Maduro denunciou no sábado "ataques" contra o sistema elétrico executados a partir do Chile e da Colômbia com o apoio do governo dos Estados Unidos.

Embora o presidente venezuelano diga que o governo é vítima de "ciberterrorismo", especialistas alertam que os apagões são o resultado da corrupção, falta de manutenção de infraestrutura e inépcia.

A Venezuela, que rompeu relações com a Colômbia, está imersa em uma grave crise econômica e política agravada nas últimas semanas por uma série de apagões.

Atingidos por uma inflação que este ano pode alcançar 10.000.000%, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), os venezuelanos também sofrem com a escassez de bens de consumo e com o colapso dos serviços públicos.

Duque considera Maduro um "ditador" e apoia os Estados Unidos na pressão diplomática internacional contra sua administração.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.