Navigation

Colômbia prorroga fechamento de passagens fronteiriças com Venezuela

(25 fev) Manifestante recebe ajuda na Ponte Internacional Simón Bolívar, em Cúcuta, Colômbia, após ser ferido durante confrontos em San Antonio del Táchira, Venezuela afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 26. fevereiro 2019 - 13:24
(AFP)

A Colômbia prorrogou por 24 horas o fechamento de quatro passagens fronteiriças com a Venezuela, enquanto repara os danos causados pela tentativa fracassada de introduzir ajuda humanitária no país petroleiro, informou nesta segunda-feira (25) a autoridade migratória.

"Devemos garantir a prestação de um bom serviço e nisso estamos trabalhando com esforços redobrados. Na quarta-feira, 27 [de fevereiro], quando abrirmos novamente a passagem, não estaremos em 100%, mas não será uma desculpa para ser esta mão amiga que receba o povo venezuelano", indicou a autoridade imigratória colombiana em um comunicado.

As passagens fronteiriças Simón Bolívar, Francisco de Paula Santander, La Unión e Tienditas permanecerão fechados "salvo (em) casos de força maior, que serão analisados pela autoridade migratória colombiana de forma individual", detalhou.

A medida iniciou no sábado depois que voluntários mobilizados pelo líder opositor Juan Guaidó, reconhecido por meia centena de países como o presidente interino da Venezuela, tentaram entrar com carga de ajuda à Venezuela, apesar do fechamento disposto pelo governo de Nicolás Maduro, que considera o envio da assistência o prelúdio de uma invasão militar orquestrada por Washington.

Os opositores se confrontaram com forças chavistas. O dia de violência deixou centenas de feridos e provocou danos na infraestrutura de pontes internacionais. Além disso, obrigou Guaidó a ordenar o recuo dos manifestantes e da ajuda.

Os confrontos se estenderam até a segunda-feira, embora em menor escala.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.