Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A chanceler colombiana, María Ángela Holguín, e seus colegas de Brasil, Mauro Viera (C), e Argentina, Hector Timerman (E), em Bogotá, no dia 4 de setembro de 2015, em foto cedida pela chancelaria colombiana

(afp_tickers)

A chanceler colombiana, María Ángela Holguín, recebeu nesta sexta-feira, em Bogotá, seus colegas de Brasil e Argentina, que buscam mediar a crise na fronteira com a Venezuela e viajarão no sábado à Caracas.

Em um comunicado conjunto, os governos de Brasil, Colômbia e Argentina informaram que Holguín se reuniu com os chanceleres Mauro Vieira e Héctor Timerman em sua viagem a Bogotá para "ver de perto a situação na fronteira entre Colômbia e Venezuela e expressar sua disposição para promover um diálogo entre os dois países".

Mauro Vieira e Timerman, que "buscam contribuir com a solução dos problemas humanitários e econômicos na fronteira", informaram a Holguín que seguirão para Caracas "para se reunir com a chanceler da Venezuela, Delcy Rodríguez, amanhã (sábado) com as mesmas finalidades".

Segundo a chancelaria da Colômbia, Mauro Vieira "entregou a ministra Holguín uma carta da presidente Dilma Rousseff para o presidente Juan Manuel Santos".

A crise entre Bogotá e Caracas começou em 19 de agosto, com o fechamento de algumas passagens fronteiriças por decisão do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, depois do ataque de indivíduos não identificados contra militares venezuelanos, atribuído a "paramilitares colombianos".

A situação se agravou há uma semana, quando os dois países convocaram seus embaixadores para consultas em meio a denúncias de violação dos direitos humanos dos afetados, que somam mais de 16 mil entre deportados e os que fugiram da Venezuela por medo de serem expulsos.

AFP