Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Venezuelanos fazem fila no último dia para validar as assinaturas do referendo contra o presidente Nicolás Maduro, em Caracas, no dia 24 de junho de 2016

(afp_tickers)

A reitora do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Venezuela, Socorro Hernández, confirmou nesta segunda-feira (29) que a oposição poderá coletar as quatro milhões de assinaturas necessárias para ativar um referendo revogatório contra o presidente Nicolás Maduro na semana de 24 a 30 de outubro.

O órgão eleitoral já havia anunciado que a coleta de assinaturas de 20% do padrão eleitoral poderia ser no final de outubro, mas a aliança de oposição Mesa da Unidade Democrática (MUD) convocou uma marcha para esta quinta em Caracas para exigir que estabeleça a data exata da convocação e que o referendo seja realizado ainda este ano.

"A exigência (opositora) realmente já tem uma resposta: essa coleta de 20% será feita entre 24 de outubro e 30 de outubro. É nessa semana, e são três dias" de coleta, disse Hernández, em entrevista ao canal privado Venevisión.

A reitora não especificou o dia exato do início do processo de coleta de rubricas e disse que "provavelmente" o CNE pedirá em outubro que as quatro milhões de assinaturas sejam obtidas de forma pública, com 20% proporcional do padrão em cada um dos 24 estados do país.

Esse ponto foi criticado em junho passado pela oposição, que acusou o CNE de dificultar a coleta.

A MUD convocou seus seguidores a uma simbólica "Tomada de Caracas", em 1º de setembro próximo. O governo alega que essa manifestação tem como objetivo deflagrar a violência para justificar um golpe de Estado contra Maduro.

Já os opositores garantem que sua marcha será pacífica e que é o governo quem tem a intenção de gerar violência com a convocação de "contramarchas" para a mesma data.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP