Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Na primavera, se perdeu 23% dos botões em toda a área plantada por causa das geadas seguidas de um "excepcional período de calor e sol entre meio e fim de julho"

(afp_tickers)

A safra de uvas para champanhe na França foi menor que o esperado em 2017 devido às tempestades e ao granizo que prejudicaram a colheita, informou nesta sexta-feira um comunicado do órgão interprofissional Comité Champagne.

"As chuvas frequentes e fortes que começaram desde o princípio da colheita, quando a uva fica madura, criaram focos de botrytis (doença da videira) e obrigaram os vinicultores a fazer uma seleção rigorosa dos cachos", explica o documento.

A colheita começou em 26 de agosto na região de Champagne, as mais precoces desde 1950. Elas foram afetadas pelas geadas na primavera e pela piora das condições meteorológicas de agosto.

Na primavera, se perdeu 23% dos botões em toda a área plantada por causa das geadas seguidas de um "excepcional período de calor e sol entre meio e fim de julho", indicou o comunicado.

Após várias tempestades com granizo em agosto, os cachos de certas regiões caíram ainda mais em qualidade.

Devido ao clima e à necessidade dos vinicultores de colher apenas os cachos saudáveis, o rendimento autorizado para o ano, que é de 10.300 quilos por hectare, "não deve ser alcançado em todos os setores".

O comunicado destaca que os vinicultores que não alcançarem esse nível podem recorrer à reserva interprofissional "para completar o suprimento".

As uvas colhidas apresentam "acidez satisfatória" e um equilíbrio "muito promissor", garantiu o Comité Champagne.

Sua qualidade vai ser avaliada nas degustações de vinhos brancos, antes da segunda fermentação, que confere a efervescência característica da bebida.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP