Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

As importações chinesas procedentes da Coreia do Norte, freadas pelas sanções internacionais, recuaram em julho, e as compras norte-coreanas da China também perderam vigor, após meses de alta

(afp_tickers)

As importações chinesas procedentes da Coreia do Norte, freadas pelas sanções internacionais, recuaram em julho, e as compras norte-coreanas da China também perderam vigor, após meses de alta, segundo estatísticas publicadas por Pequim.

Ao todo, o volume de comércio bilateral entre os dois países foi de 456 milhões de dólares no mês passado, retrocesso de quase 7% ante junho, segundo dados da aduana chinesa publicados na internet.

Essa redução se deve em parte à queda contínua das importações chinesas de seu vizinho. Em julho, elas caíram a 156,2 milhões de dólares, 3% menos que no mês anterior, e em um ano a retração já de mais de 30%.

A China, principal aliado de Pyongyang e destino de cerca de 90% das exportações norte-coreanas tinha suspendido em fevereiro todas as importações de carvão, cumprindo sanções adotadas pela ONU.

Essas restrições buscam privar o regime de Kim Jong-Un de uma fonte essencial de dinheiro, assim como frear seu programa balístico e nuclear.

Após as Nações Unidas adotarem, no começo de agosto, um sétimo pacote de sanções, Pequim anunciou que também iria suspender suas compras de minerais de ferro, chumbo e produtos do mar norte-coreanos.

As exportações chinesas ao regime de Pyonyang também caíram: em junho, foram 299,8 milhões de dólares, queda de mais de 8% em relação a junho. Contudo, em termos interanuais, há uma alta de 55%.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP