Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Membros da Central de Trabalhadores Argentinos (CTA) participam de protesto contra as medidas econômicas do presidente Mauricio Macri, na Praça de Maio

(afp_tickers)

As centrais sindicais da Argentina converteram o 1º de Maio em um dia de protestos contra o governo de Mauricio Macri, cujos partidários organizaram o primeiro ato visando as eleições legislativas de outubro.

"Mais do que comemorar, vamos protestar. O governo está nos levando ao desemprego, às demissões e à pobreza", disse nesta terça-feira um dos líderes da central CGT (peronista, oposição), em declarações à rádio Provincia.

A CGT centraliza a maioria dos seis milhões de trabalhadores sindicalizados. Em 6 de abril, conseguiu uma adesão em massa à primeira greve geral contra a política econômica e trabalhista de Macri.

Os sindicatos "cegetistas" se reuniram no estádio Obras Sanitarias, tradicional palco de shows de rock e de partidas de basquete.

Já os partidos governistas de direita PRO e FE pediram a seus afiliados pelas redes sociais que se reúnam no estádio fechado do clube Ferro Carril Oeste, onde Macri fará um discurso.

"Estamos trabalhando para levar o país para frente e para vencer as próximas eleições", disse o dirigente sindicalista macrista, Momo Venegas, à rádio Mitre.

Mais de 30 milhões de argentinos serão convocados em 22 de outubro para renovar metade da Câmara dos Deputados e um terço do Senado, que são controlados pela oposição, embora o macrismo costume conseguir alianças temporárias.

Venegas comanda um sindicato de trabalhadores rurais, o único que não pertence nem à CGT nem à central CTA, também opositora e baseada em sindicatos de professores e estatais.

A CTA organizou marchas na ruas, uma até o Monumento do Trabalho e outra até o Congresso em apoio aos sindicatos de professores em conflito salarial com o governo. Os educadores montaram em frente à sede do Parlamento um centro de protestos chamado Escola Itinerante.

"Rejeitamos a política de cerceamento de direitos trabalhistas e de demissões, em um contexto econômico cada vez mais desanimador, recessivo e com a inflação. Hoje se inicia a campanha eleitoral para o governo e seu ato do Dia do Trabalhador parece uma piada", disse Hugo Yasky, um dos líderes da CTA à rádio 10.

Os partidos minoritários da esquerda trotsquista, divididos em duas frentes, convocaram seus partidários ao Obelisco e à histórica Praça de Maio.

A inflação anual superou os 40% em 2016 e ronda os 10% no primeiro trimestre deste ano, segundo cifras oficiais. A pobreza atinge um terço dos argentinos, de acordo com a estatal Indec. A economia despencou 2,3% no ano passado e sofreu outra queda interanual de 2,2% em fevereiro.

As suspensões e demissões alcançaram mais de 250.000 pessoas desde que Macri começou a governar, segundo a consultora econômica Cepa.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP