Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O destroyer da Marinha americana USS Fitzgerald colidiu com um navio cargueiro de nacionalidade filipina na costa do Japão, em 17 de junho de 2017, matando sete marinheiros americanos

(afp_tickers)

O comandante de um navio da Marinha americana que colidiu com um cargueiro filipino na costa do Japão, deixando sete marinheiros americanos mortos, será substituído em suas funções e outros marinheiros sofrerão punição, disse um veterano almirante nesta quinta-feira.

Entre os que sofrerão ações disciplinares da tripulação do USS Fitzgerald estão o comandante oficial, o oficial executivo e o marinheiro sênior alistado, que serão substituídos, declarou o almirante Bill Moran, vice-chefe das operações navais.

"Eles serão separados do navio por conta do caso, o que [significa] que perdemos a confiança em suas capacidades de liderança nessas posições e não retornarão para o navio", disse Moran aos repórteres.

Sete marinheiros se afogaram em seu dormitório quando o USS Fitzgerald colidiu com o Crystal ACX, de nacionalidade filipina, na costa do Japão em 17 de junho.

O vice-almirante Joseph Aucoin, que lidera a 7ª Frota da Marinha, com sede em Yokosuka, no Japão, notificou um marinheiro sobre a sua punição, e os outros provavelmente serão informados até o fim de sexta-feira.

No total, 12 marinheiros deverão ser deverão sofrer ações disciplinares.

"Se está claro para ele [Aucoin] que alguns membros daquela tripulação não deveriam continuar fazendo este trabalho, é hora de retirá-los, é hora de responderem por suas ações", disse Moran.

Moran afirmou que os marinheiros podem enfrentar mais punições posteriormente, dependendo do resultado de investigações que estão em andamento.

"Não estou dizendo que sofrerão ou não. É só que não acabamos com a investigação", declarou.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP