Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O general americano Curtis Scaparrotti, em Bruxelas, no dia 9 de novembro de 2017

(afp_tickers)

O general americano Curtis Scaparrotti, chefe das forças da OTAN na Europa, pediu que a Rússia "pare de interferir" nas eleições na Europa, incluindo na Catalunha, que mantém uma iniciativa de secessão com a Espanha.

"Parem de interferir em outros países, que possuem direito soberano de determinar sua governança e (decidir) como devem funcionar", declarou o general Scaparotti aos jornalistas em Bruxelas, respondendo perguntas sobre as acusações de interferência russa na crise catalã.

De imediato, Scaparotti, comandante das forças da OTAN na Europa, generalizou suas palavras: "Estou preocupado quanto a influência russa mal-intencionada, particularmente em temas internos aos países" europeus, explicou.

O seu chefe, o secretário americano da Defesa Jim Mattis, argumentou que os representantes dos 29 países da OTAN tinham "conversado amplamente" sobre os "esforços agora constantes da Rússia para interferir nos processos democráticos soberanos dos Estados independentes".

Nos Estados Unidos, um fiscal especial investiga desde maio suspeitas de interferência russa durante a campanha presidencial de 2016. A Rússia nega ter realizado alguma intervenção para favorecer a eleição de Donald Trump.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP