Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Membros do Exército Nacional Líbio (ENL) comemoram sobre um tanque a reconquista de Benghazi, Líbia, em 6 de julho de 2017, após tomar a área de combatentes do grupo Estado Islâmico

(afp_tickers)

Os extremistas ainda combatem as forças líbias em Benghazi, dias depois de o homem forte Jalifa Haftar e seu autoproclamado exército declararam a vitória nessa cidade do leste da Líbia, informaram suas forças neste domingo.

Segundo o porta-voz das forças especiais do Exército Nacional Líbio (ENL), o coronel Milud al Zwei, três soldados morreram no domingo pela explosão de minas, em operações de busca nos bairros de Sug al Hut e Al Sabri, onde os últimos radiciais estão entrincheirados.

Segundo ele, outros 20 soldados foram assassinados desde a quarta-feira "por terroristas que estavam escondidos em casas".

Os combatentes continuam enfrentando o ENL e os extremistas entrincheirados na zona de Sug al Jarid, entre Sug al Hut e Al Sabri, acrescentou.

Na quarta-feira, o marechal Jalifa Haftar anunciou a "libertação total" de Benghazi, três anos depois de ter lançado uma operação militar para recuperar este bastião da revolta líbia de 2011, que caiu na mão dos radicais.

AFP