Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Visitante come carne durante feira em Hong Kong, no dia 19 de agosto de 2017

(afp_tickers)

Em Copenhague, basta uma hora de trabalho para comprar um bife. Já em Jacarta, é preciso labutar um dia todo para adquirir a mesma porção. Essa foi uma das conclusões de um estudo para a empresa Caterwings sobre o acesso à carne de trabalhadores com salário mínimo.

Para estabelecer essa comparação, a ABCD agency, a empresa de relações públicas que fez o estudo, se baseou no salário mínimo de cada país e em uma média de preços estabelecida a partir do custo da carne em grandes cidades de cada país.

Assim, a Dinamarca foi classificada como um dos países com o salário mínimo mais alto. A isso se somou o fato de não ter "a carne mais cara que a média mundial", segundo a Caterwings, o que explica o fácil acesso à proteína pelos dinamarqueses.

Eles são seguidos de perto pelos vizinhos suecos, que precisam trabalhar pouco menos de uma hora e meia para ganhar uma porção de carne vermelha. O assalariado australiano precisa de exatamente uma hora e meia para comprar um bife, no país que consome a maior quantidade de proteínas animais, segundo o estudo inédito.

O trabalhador indonésio, por sua vez, tem o nível salarial mais baixo e precisa de 23 horas e meia de serviço para ter uma porção de carne.

Nos Estados Unidos, essa mesma medida pode ser adquirida após duas horas e meia de trabalho. Já no Brasil, é preciso labutar por cinco horas e meia, e a carme é 52,20% mais barata que média mundial.

A pesquisa se concentrou nos países que mais produzem e consomem proteínas animais, indicou a Caterwings, empresa de restaurantes que conecta distribuidores de alimentos e empresas.

Os dados foram obtidos pela análise dos preços da carne nas maiores cidades de cada país - que representassem pelo menos 25% da nação.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP