Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Agência Espacial Europeia) O cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko em foto tirada pela sonda espacial Rosetta, no dia 12 de novembro de 2015

(afp_tickers)

Em uma nova reviravolta na expedição da sonda espacial europeia Rosetta, descobriu que o seu alvo, o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, não tem campo magnético - informaram os cientistas nesta terça-feira.

Um laboratório robô enviado para o Cometa 67P em 12 de novembro do ano passado não encontrou evidências de que seu núcleo era magnetizado, disseram os estudiosos.

A descoberta pode varrer uma teoria fundamental sobre a formação de cometas e outros corpos do sistema solar, afirmou o pesquisador Hans-Ulrich Auster.

Isso significaria que as forças magnéticas podem não ter desempenhado um papel, como teorizado por alguns, numa fase crucial da edificação dos planetas.

A descoberta foi publicada na revista Science e apresentada simultaneamente em uma reunião da União Europeia de Geociências (EGU), em Viena.

O estudo foi feito com base em medições enviadas para casa por Philae, o laboratório do tamanho de uma máquina de lavar roupas, em novembro passado.

A descida da nave-mãe em órbita Rosetta - que durou sete horas e percorreu 20 quilômetros - terminou com uma aterrissagem difícil, um acidente que acabou por ser uma bênção para a equipe de Auster.

A sonda, que pesa 100 quilogramas na Terra, mas menos do que uma pena na fraca gravidade do cometa, ricocheteou na superfície dura várias vezes antes de se acomodar em um ângulo em uma vala escura.

"Essa trajetória complexa acabou por ser cientificamente benéfica", disse a Agência Espacial Europeia (ESA), em comunicado.

"O voo não planejado na superfície, na verdade, significou que pudemos coletar medições precisas do campo magnético com Philae nos quatro pontos com que fizemos contato, numa variedade de alturas acima da superfície", explicou Auster.

Philae tinha energia de bateria armazenada suficiente para 60 horas de trabalho e enviou para casa uma coleção de dados preciosos antes de entrar em modo de espera em 15 de novembro.

A partir da análise dos dados "concluímos que o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko é um objeto incrivelmente não-magnético", contou Auster.

Cometas são aglomerados de poeira primordial e gelo que giram em torno do Sol em órbitas elípticas.

Rosetta, a missão de 1,4 bilhão de dólares (cerca de R$ 4,3 bilhões), tem como objetivo desvendar os segredos de cometas - que astrofísicos acreditam serem os "semeadores" da Terra com alguns dos ingredientes favoráveis à vida.

Atração antiga

Outra área que desperta interesses é esta: o que os cometas podem revelar sobre o papel do magnetismo na formação do sistema solar quase 4,6 bilhões de anos atrás?

A ideia é que o Sol, asteroides, cometas, luas e planetas surgiram a partir de um disco de roda de gás e poeira - muitos deles grãos de magnetita, uma forma de ferro.

Na escala microscópica, campos magnéticos no disco protoplanetário ajudaram a manter o material de moita coeso para criar órgãos embrionários, segundo esta hipótese.

Mas como o magnetismo ajudou no processo de deposição que veio depois ainda é um mistério.

Alguns teóricos sugeriram que o magnetismo pode ter desempenhado um papel na fase intermediária de construção do corpo, antes que o objeto se torne grande o suficiente - centenas de metros e depois quilômetros - por gravidade para assumir como força dominante.

Mas os resultados divulgados nesta terça-feira parecem refutar esta tesa.

"A teoria de que as forças magnéticas ajudaram a construir planetas torna-se menos provável", explicou Auster à AFP, da Technische Universitat Braunschweig, na Alemanha.

"Se o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko é representativo de todos os núcleos de cometas, então sugerimos que as forças magnéticas não são suscetíveis de ter desempenhado um papel na acumulação de blocos de construção planetários superiores a um metro", acrescentou.

Karl-Heinz Glassmeier, principal investigador da equipe Rosetta, disse que os campos magnéticos parecem ter sido "muito menores no início do Sistema Solar do que se pensava, porque se eles fossem maiores, provavelmente teriam provocado uma magnetização mais forte" no cometa 67P.

Rosetta entrou na órbita do cometa em agosto passado após uma caminhada de seis bilhões de quilômetros de mais de uma década que exigiu quatro sobrevoos da Terra e de Marte, usando a gravidade dos planetas como um estilingue para ganhar velocidade.

O cometa deve atingir seu ponto mais próximo ao Sol, a uma distância de 186 milhões de quilômetros, em 13 de agosto.

AFP