Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Pais de estudantes desaparecidos protestam na Cidade do México em 22 de fevereiro de 2016

(afp_tickers)

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) encerrou nesta sexta-feira a missão que investigava o desaparecimento de estudantes em Ayotzinapa, após a recusa do governo mexicano de estender seu mandato.

"Dada a natureza do acordo de assistência técnica, em que é necessário o consentimento do Estado, a Comissão considera que não existem condições para continuar o mandato do grupo" de especialistas, que termina em 30 de abril, declarou o presidente do organismo regional, James Cavallaro.

Cavallaro ressaltou que a Comissão, um órgão autônomo da Organização dos Estados Americanos (OEA), "lamenta profundamente" a decisão do governo mexicano de não prorrogar o mandato do Grupo Interdisciplinar de Peritos Independentes (GIPI) da CIDH, que começou a sua investigação em março de 2015.

O monitoramento do organismo regional de direitos humanos vai continuar através de um "mecanismo de vigilância especial", ainda a ser definido, mas que poderia contar com o aconselhamento dos membros da GIPI.

A CIDH fez repetidos apelos ao México para rever a sua recusa em continuar o mandato do GIPI, especialmente durante as audiências do organismo na semana passada.

A Comissão se reuniu esta semana, em reuniões separadas em Washington, com representantes do governo mexicano e parentes dos alunos desaparecidos.

De acordo com a versão oficial da procuradoria mexicana, os jovens foram atacados por policiais corruptos de Iguala (sul), que os teriam entregado a criminosos do cartel narcotraficante Guerreiros Unidos, que assassinaram e queimaram seus corpos.

Mas o GIPI, criado em novembro de 2014 pela Comissão com o acordo do México e dos pais das vítimas, rejeitou essa teoria.

AFP