Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente chinês, Xi Jinping

(afp_tickers)

A reunião de cúpula histórica entre o americano Donald Trump e o norte-coreano Kim Jong-un terá repercussões na China, na Coreia do Sul e no Japão.

Trump se vangloriou dos méritos de um acordo que prevê "a desnuclearização completa" da península coreana, embora os observadores condenem o texto por sua imprecisão.

A cúpula de Singapura deixa muitas perguntas em aberto. Em particular, aquelas ligadas a outros atores-chave. Confira abaixo:

- China -

Principal aliado de Pyongyang e com quem a Coreia do Norte tem 90% de suas trocas comerciais, a China vê com bons olhos tudo que possa diminuir a tensão na península vizinha.

Pequim saudou rapidamente o encontro, considerando que se trata do começo de uma "nova história".

A China teve uma surpresa adicional com a cúpula, depois que Trump anunciou o fim dos exercícios militares com Seul, uma prática que Pequim sempre viu com desconfiança.

Este anúncio constitui a aceitação tácita da proposta defendida pelo presidente chinês, Xi Jinping, ou seja, parar os exercícios militares em troca do congelamento dos testes nucleares e balísticos norte-coreanos.

Xi se reuniu duas vezes com Kim antes da cúpula e conserva uma considerável influência no xadrez diplomático. A China até emprestou um avião a Kim para que viajasse para Singapura.

- Coreia do Sul -

O presidente sul-coreano, Moon Jae-in, está entre os que tornaram possível o encontro de Singapura. Quando a cúpula foi anulada por Trump, esforçou-se para reverter a decisão.

Seul e Pyongyang já concordaram em manter encontros regulares. A legitimação de Kim na arena mundial torna mais provável uma visita de Moon a Pyongyang.

O Norte e o Sul também devem trabalhar para declarar o fim da Guerra da Coreia (1950-1953). Os combates terminaram com um armistício, mas não com um tratado de paz. Os dois países continuam tecnicamente em guerra.

Assim como os demais, porém, o comando militar sul-coreano foi surpreendido com a declaração unilateral de Trump sobre o fim dos exercícios militares. Isso reforçaria os argumentos dos conservadores sul-coreanos que reclamam que Seul desenvolve suas próprias armas atômicas.

- Japão -

A reação japonesa foi claramente menos entusiasta do que a de outros países. Tóquio está diretamente ameaçado pelos mísseis norte-coreanos e depende dos Estados Unidos para sua defesa.

A anulação das manobras pareceu irritar Tóquio. O ministro japonês da Defesa, Itsunori Onodera, disse que esses exercícios têm "papel vital" para a segurança na região.

Sobre a questão extremamente sensível dos japoneses sequestrados pela Coreia do Norte há décadas, o primeiro-ministro Shinzo Abe saudou o fato de que Trump tenha, aparentemente, evocado o tema durante a cúpula. Mas não parece haver avanços tangíveis.

Abe disse que queria falar sobre esse tema diretamente com Kim.

- Estados Unidos -

Dada a declaração assinada por Kim e Trump, que não contém detalhes sobre a desnuclearização, os representantes dos dois países estão diante de negociações longas e difíceis.

Segundo Trump, membros de seu alto escalão, entre eles o conselheiro de Segurança Nacional, o falcão John Bolton, estudarão os detalhes na próxima semana.

Segundo a agência oficial norte-coreana, KCNA, Kim e Trump aceitaram convites recíprocos de viagens a Washington e a Pyongyang.

burs-ric-ev/dth/roc/pa/zm/tt

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP