Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Avião da companhia Spring Airlines no aeroporto de Xangai em 18 de julho de 2005

(afp_tickers)

Dois passageiros soropositivos e um de seus amigos apresentaram uma queixa por discriminação contra a companhia aérea chinesa Spring Airlines por tê-los impedido de pegar um voo, informou nesta sexta-feira a imprensa local.

No momento do registro para o voo que ia de Shenyang (nordeste) a Shijiazhuang (ao sul de Pequim), os dois passageiros soropositivos informaram sobre sua condição, relata o jornal Global Times.

Em resposta, os funcionários da companhia aérea de baixo custo se negaram a deixá-los embarcar no avião, assim como a um amigo que os acompanhava.

Os três passageiros apresentaram uma ação contra a empresa por discriminação, e exigem desculpas públicas, assim como uma indenização por perdas e danos no valor de 48.999 iuanes (5.950 euros, 7.962 dólares).

Um tribunal de Shenyang aceitou examinar o caso, acrescentou o jornal. Esta é, segundo a publicação, a primeira vez que a justiça chinesa examina uma demanda por supostas discriminações contra soropositivos.

Segundo a lei chinesa sobre transporte aéreo, as empresas têm o direito de se negar a embarcar pessoas com doenças contagiosas ou que representam um perigo para os outros passageiros.

Mas a Spring Airlines não tinha o direito de impedir que as três pessoas em questão pegassem seu voo, já que nenhum elemento sugere que representavam um risco de contágio, argumentou Liu Wei, advogado dos demandantes.

Entrevistado na terça-feira por um meio de comunicação chinês, o presidente da empresa, Wang Zhenghua, negou qualquer política de discriminação e culpou funcionários locais "nervosos" pelo incidente.

No entanto, também criticou publicamente os dois soropositivos envolvidos por terem "declarado tão abertamente desta maneira" sua condição, o que poderia ter criado pânico entre os passageiros.

AFP