Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Colombianos chegam em Cúcuta, Colômbia, após saírem da Venezuela, no dia 26 de agosto de 2015

(afp_tickers)

Uma solução rápida e imediata para o sofrimento das pessoas afetadas no conflito migratório entre a Colômbia e a Venezuela pode ser seu tratamento na Corte Internacional de Justiça (CIJ) da ONU, afirmou nesta quarta-feira à AFP o juiz espanhol Baltasar Garzón.

"Ou há uma solução pelo diálogo ou pela justiça internacional", disse o magistrado em Buenos Aires, antes de um Congresso da Fundação Jurisdição Universal, fundada por ele e com a presença de quase mil dirigentes, ativistas e funcionários.

"Não me parece adequado que o caso vá para a Corte Penal Internacional (CPI, que trata de casos criminais). Sim, me parece que pode ir para a CIJ, através de uma opinião consultiva nas Nações Unidas. É o mais rápido", disse Garzón, assessor do governo colombiano para temas jurídicos.

O homem que conseguiu a detenção do ex-ditador chileno Augusto Pinochet (1973-90) em 1998, em Londres, por crimes contra a humanidade, disse que na crise colombo-venezuelana "há pessoas vulneráveis, menores de idade ou idosos que são privados de seus direitos à assistência em sua vida comum. É algo inaceitável".

Cerca de 20.000 colombianos são afetados pela crise fronteiriça com a Venezuela, com quase 1.500 deportados e mais de 18.000 que fugiram do país vizinho por medo de serem expulsos, segundo a ONU. O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, denunciou as deportações.

Seu contraparte venezuelano, Nicolás Maduro, mobilizou milhares de militares e fechou passagens de fronteira com o argumento de combater o contrabando no qual estariam envolvidos paramilitares colombianos que desejariam desestabilizar o governo.

"Em um prazo não superior a seis meses, a CIJ deveria se pronunciar e definir o que se pode e o que não se pode fazer. Há grupos confrontados, há grupos criminosos. O que não se pode nunca é produzir esta situação, que na realidade é reiterada", disse Garzón.

Os dois presidentes se disseram dispostos ao diálogo, mas só há mediações preliminares na região.

AFP