Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(4 ago) Refugiados no centro de Donetsk

(afp_tickers)

Pelo menos 285.000 pessoas abandonaram suas casas para fugir do conflito no leste da Ucrânia, anunciou a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), que advertiu que uma intensificação dos combates poderia provocar um "êxodo em massa".

As autoridades locais ucranianas registraram até o momento 117.000 pessoas procedentes do leste do país, segundo o Acnur.

O diretor do escritório europeu da agência, Vincent Cochetel, afirmou que esta é uma "estimativa baixa", pois a maior parte dos homens em fuga não se registram para evitar o alistamento pelo exército ucraniano e há muitos deslocados nas zonas de combate.

Além disso, 168.000 ucranianos solicitaram até 1 de agosto um estatuto especial às autoridades russas, como asilado ou refugiado.

"Mas, segundo as autoridades russas, e acreditamos que o número é correto, quase 730.000 ucranianos entraram na Rússia desde o início do ano", disse Cochetel aos jornalistas.

O número de 285.000 deslocados representa um aumento de 24% em relação ao balanço divulgado em julho.

No total, 87% procedem das zonas rebeldes de Donetsk e Lugansk, enquanto os demais fugiram da Crimeia, anexada em março pela Rússia.

A fuga se intensificou nas últimas duas semanas, com a média de 1.200 pessoas abandonando as zonas de combate a cada dia. Se o conflito se ampliar ao centro da cidade de Donetsk, "os combates em uma área de alta densidade urbana poderiam provocar um êxodo e destruições em massa", advertiu Cochetel.

AFP