Mais de 660.000 pessoas tiveram de deixar suas casas em zonas de conflito desde março, apesar do apelo da ONU por um cessar-fogo global durante a pandemia de coronavírus - informou nesta sexta-feira (22) a ONG Norwegian Refugee Council (NRC).

Segundo a ONG, seus dados provam que os conflitos armados continuaram durante a pandemia, apesar do confinamento imposto em grande parte do planeta.

A convocação do diretor-geral da ONU, António Guterres, em 23 de março, também não resultou em uma trégua global durante a pandemia.

De acordo com o NRC, 661.000 pessoas foram deslocadas em 19 países desde então. O maior movimento populacional foi registrado na República Democrática do Congo (RDC).

"Enquanto especialistas em saúde nos pedem para ficar em casa, homens armados forçam centenas de milhares de pessoas a deixarem suas casas em meio a uma vulnerabilidade extrema", denunciou o secretário-geral do NRC, Jan Egeland.

"Isso não fere apenas aqueles que são forçados a fugir, mas mina seriamente nossos esforços conjuntos para combater o vírus", acrescentou.

Egeland também pediu aos líderes mundiais que "aproveitem a ocasião" e pressionem, de forma unânime, por um cessar-fogo global e por mais unidade para proteger todas as comunidades contra a COVID-19.

A ONG pediu aos membros do Conselho de Segurança da ONU que lancem um "apelo claro" aos beligerantes para que abandonem as hostilidades e "resolvam seus conflitos com o diálogo, permitindo uma resposta ordenada à pandemia".

Segundo a organização, os confrontos entre grupos armados e militares na República Democrática do Congo forçaram 482.000 pessoas a abandonarem suas casas.

No Iêmen, 24.000 pessoas tiveram de deixar seus lares desde 23 de março por causa do conflito, enquanto no Afeganistão, na República Centro-Africana, na Síria, na Somália e na Mianmar foram mais 10.000 pessoas neste mesmo período, completou o NRC.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Conteúdo externo

Viver e trabalhar nas montanhas graças à internet

Viver e trabalhar nas montanhas graças à internet

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.