Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Joey Gibson (camisa preta), líder do grupo de direita Patriot Prayer, atingido por spray de pimenta por manifestantes de esquerda em Berkeley, Califórnia

(afp_tickers)

Milhares de simpatizantes do presidente americano, Donald Trump, e manifestantes contrários ao republicano se enfrentaram neste domingo na Califórnia, em um protesto que terminou com 14 detidos.

Uma manifestação pacífica organizada em Berkeley, uma cidade universitária na região de San Francisco, virou o cenário de violência após os confrontos entre os dois grupos no parque Martin Luther King Jr, que estava fechada ao público.

Centos de militantes antirracistas pularam as barricadas da polícia para enfrentar o pequeno grupo de simpatizantes de Trump, que compareceram ao local apesar da manifestação "Não ao marxismo no Estados Unidos" ter sido cancelada justamente pelo temor de distúrbios.

Os contra-manifestantes cercaram os apoiadores de Trump e começaram a gritar "Não a Trump, não a KKK (Ku Klux Klan), não aos Estados Unidos fascista" e "Nazista, volte para casa".

Vários contra-manifestantes, que estavam com os rostos cobertos, foram retirados do local pela polícia. Quatorze pessoas foram detidas, a maioria por não cumprir a proibição de utilizar máscaras, tacos e outros objetos que poderiam ser utilizados como armas.

Um policial atirou uma bala de borracha contra um manifestante que tentou superar uma barreira policial, de acordo com o jornal Los Angeles Times.

Joey Gibson, líder do grupo de direita Patriot Prayer, foi atingido por spray de pimienta jogado pelos contra-manifestantes.

Os incidentes acontecem após os distúrbios de Charlottesville (Virginia) há duas semanas, quando uma mulher faleceu depois que um supremacista branco atropelou um grupo de manifestantes contra o racismo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP