AFP

Manifestantes queimam pneus em Palmarito Tochapan, Puebla, México no dia 4 de maio de 2017

(afp_tickers)

Uma série de confrontos entre as forças armadas e ladrões de combustíveis que operam no centro do México deixaram dez mortos no estado de Puebla, quatro deles militares, informou o governo local nesta quinta-feira.

Os fatos ocorreram a partir de quarta-feira no município de Palmar de Bravo e até o momento há "quatro militares falecidos e onze militares feridos, um policial estadual ferido e seis supostos delinquentes mortos, entre eles uma mulher", explicou à imprensa o secretário de governo de Puebla, Diódoro Carrasco.

Na noite de quarta-feira, as autoridades informaram sobre um primeiro confronto, que deixou dois soldados mortos e um ferido.

Nesta ocasião, um grupo de militares efetuava uma patrulha quando foi atacado "com disparos de armas de fogo" por indivíduos que se deslocavam a bordo de cinco caminhonetes, três blindadas, segundo a secretaria de Defesa Nacional (Sedena).

Os militares decidiram não reagir diante da presença de mulheres e crianças na zona, "que foram utilizados como escudos".

O primeiro ataque deu origem a vários confrontos durante a noite, até que os soldados decidiram reagir com vigor.

Ao menos mil militares, apoiados por helicópteros, foram enviados à zona do conflito.

Palmar de Bravo e os municípios de Quecholac e Acatzingo formam o chamado "triângulo vermelho", conhecido por seu alto índice de roubo de combustível.

AFP

 AFP