Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Venezuelanos protestam em Caracas, no dia 13 de maio de 2017

(afp_tickers)

Intensos confrontos entre forças de segurança e manifestantes, além de saques, foram registrados após protestos contra o governo de Nicolás Maduro em Caja Seca e Pueblo Llano, segundo autoridades e os meios de comunicação.

Isso ocorreu entre a tarde e a noite de sábado, depois que caravanas opositoras em carros, motos e até mesmo cavalos saíram às ruas em vários pontos do país para pedir eleições gerais e rejeitar uma Assembleia Constituinte convocada por Maduro.

Uma agência do Banco Bicentenario (estatal) foi queimada em Caja Seca, informou o Ministério Público (MP) neste domingo.

"Danificaram caixas eletrônicos, equipamentos de computação, impressoras, móveis, entre outros objetos de valor, para então incendiar as instalações do local", divulgou o MP em nota.

Em Pueblo Llano, efetivos da guarda nacional dispararam bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha contra manifestantes que bloqueavam as vias de acesso ao local, que responderam com pedras.

"Há informações sobre várias pessoas feridas e algumas crianças asfixiadas com gás, assim como a participação dos chamados coletivos", publicou o jornal local Diario de Los Andes neste domingo (14), referindo-se aos grupos que apoiam o chavismo, e que a oposição classifica como "bandos armados".

As autoridades denunciaram práticas de violência por parte dos manifestantes opositores, como a queima da fazenda de um agricultor em um local próximo.

"Por ser chavista, os fascistas queimaram sua casa", disse por meio do Twitter o governador de Mérida, Alexis Ramírez.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP