Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Josefina Vidal, diretora-geral da divisão dos Estados Unidos da chancelaria cubana

(afp_tickers)

Uma delegação de congressistas republicanos dos Estados Unidos conversou neste sábado, em Havana, com o vice-presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, sobre as reformas econômicas de Raúl Castro, sobre o embargo e sobre as relações bilaterais - segundo um comunicado oficial.

Os congressistas chegaram à Ilha na sexta-feira.

"Díaz-Canel recebeu os republicanos Jeff Flake, Susan Collins e Patrick Roberts, senadores pelo Arizona, Maine e Kansas, respectivamente", assinala o texto lido no telejornal local.

Durante o encontro, "conversou-se sobre o andamento do processo de atualização do modelo econômico e social do nosso país (reformas) e sobre o contexto atual das relações entre Cuba e Estados Unidos, incluindo a necessidade de eliminar o bloqueio", acrescentou a nota, referindo-se ao embargo aplicado por Washington contra a Ilha desde 1962.

Também participou da conversa a diretora-geral da divisão dos Estados Unidos da Chancelaria cubana, Josefina Vidal, que é, desde janeiro, chefe da equipe nas negociações entre Washington e Havana para o restabelecimento das relações diplomáticas rompidas em 1961.

Neste sábado, os políticos americanos se reuniram ainda com o chanceler cubano, Bruno Rodríguez. Durante sua estada na Ilha, "visitarão o Instituto de Engenharia Genética e Biotecnologia de Havana, o Instituto da Aeronáutica Civil e o Ministério de Comércio Exterior e Investimento Estrangeiro".

O comunicado lembrou que Flake, que também é membro do Comitê de Relações Exteriores do Senado, é o principal promotor da "Lei de Liberdade para viajar a Cuba". O projeto foi proposto no Congresso no final de janeiro para acabar com as restrições de viagens de americanos à Ilha.

Em 17 de dezembro passado, Estados Unidos e Cuba anunciaram o início de negociações para restabelecer relações diplomáticas depois de meio século de enfrentamentos.

AFP