Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Julio Borges, no dia 11 de maio de 2017

(afp_tickers)

O presidente do Congresso venezuelano, o opositor Julio Borges, ameaçou o banco americano de investimentos Goldman Sachs, nesta segunda-feira (29), com o não reconhecimento de uma compra de títulos por US$ 2,8 bilhões ao governo de Nicolás Maduro.

"Dada a irregular natureza dessa transação e os absurdos termos financeiros em detrimento da Venezuela e de seu povo, a Assembleia Nacional" investigará a operação e recomendará "a qualquer governo democrático futuro que não reconheça o pagamento desses bônus", advertiu Borges em uma carta ao banco.

A Assembleia argumenta que esse tipo de operação precisa de seu aval.

Conforme matéria publicada neste domingo (28) pelo Wall Street Journal, o Goldman Sachs fez uma compra de títulos da empresa estatal Petróleos de Venezuela (Pdvsa) com um desconto de 69%.

O banco americano concordou com pagar US$ 865 milhões ao Banco Central da Venezuela (BCV) - 31 centavos por dólar - pela aquisição de títulos emitidos em 2014 com vencimento em 2022 e que valem US$ 2,8 bilhões.

"O povo da Venezuela e seu futuro governo democrático não esquecerão de que lado ficou o Goldman Sachs quando teve que decidir entre apoiar a ditadura de Maduro, ou a democracia para nosso país", reconheceu o parlamentar.

Para Borges, a transação dá "uma sobrevida a um regime que viola sistematicamente os direitos humanos dos venezuelanos".

"Isso servirá para fortalecer a brutal repressão contra centenas de milhares de venezuelanos que estão protestando pacificamente por uma mudança política no país", insistiu.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP