Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Membros do Conselho de Segurança da ONU votam resolução que endurece as sanções contra a Coreia do Norte na sede das Nações Unidas, em Nova York

(afp_tickers)

O Conselho de Segurança das Nações Unidas terá uma reunião de chanceleres na próxima quinta-feira (21) para tratar da proliferação de armas de destruição em massa e, mais especificamente, da ameaça nuclear norte-coreana - disseram diplomatas neste sábado (16).

O encontro foi convocado pelos Estados Unidos e acontecerá em paralelo à Assembleia Geral da ONU, que começa na terça-feira com a esperada presença de 129 chefes de Estado e de Governo.

O objetivo da reunião é "discutir maneiras, por meio das quais o Conselho de Segurança pode melhorar o cumprimento das resoluções que adotou para prevenir a proliferação das armas mais perigosas do mundo", justifica uma nota de preparação para o encontro redigida por Washington e obtida neste sábado pela AFP.

Durante a reunião do Conselho, os países vão discutir os meios para conter a tecnologia nuclear e balística "dos atores mais perigosos do mundo".

Esta semana, o órgão adotou, por unanimidade, uma nova bateria de sanções contra a Coreia do Norte, ao proibir suas exportações têxteis, congelar as permissões de trabalho de cidadãos norte-coreanos no exterior, além de limitar seu fornecimento de petróleo.

O impacto real das sanções dependerá, sobretudo, do nível de adesão da China, principal sócio comercial de Pyongyang, assim como da postura da Rússia, que acolhe milhares de trabalhadores norte-coreanos.

Na sexta-feira, a Coreia do Norte disparou um míssil de médio alcance do tipo Hwasong-12, que sobrevoou o Japão antes de cair no oceano Pacífico. A medida foi uma resposta às sanções da ONU.

Em uma reunião ontem, o Conselho de Segurança "condenou firmemente" o lançamento, mas não lançou novas sanções ao regime de Kim Jong-un.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP