Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A conta da Volkswagen por fraude no sistema de controle de emissões continua aumentando

(afp_tickers)

A Volkswagen anunciou, nesta sexta-feira (29), que está separando 2,5 bilhões de euros extras para lidar com os efeitos do escândalo "dieselgate" nos Estados Unidos, que se mostraram mais complexos do que o esperado.

A nova reserva eleva a soma total separada pela Volkswagen - destinada ao pagamento de multas e às despesas com o escândalo do diesel - a 25,1 bilhões de euros.

"No terceiro trimestre, itens especiais negativos de cerca de 2,5 bilhões de euros devem pesar no resultado operacional", disse uma nota da fabricante alemã.

"O motivo é um aumento das provisões relacionadas ao programa de recompra/retromontagem para os veículos TDI 2.0 litros, uma parte dos acordos na América do Norte que estão provando ser bem mais complexos tecnicamente e demorados".

A Volkswagen concordou, no ano passado, em comprar de volta ou consertar cerca de meio milhão de carros a diesel 2.0 litros nos Estados Unidos - veículos que foram equipados com o software que manipulava os testes de emissões de gases poluentes.

Mais tarde, o grupo aceitou um acordo similar envolvendo 80 mil carros 3.0 litros.

A gigante automobilística alemã está em crise desde que autoridades regulatórias americanas revelaram o esquema de manipulação há dois anos, e seus desafios legais estão longe do fim nacionalmente e no exterior.

A revista Der Spiegel divulgou, nesta sexta, que a fabricante registrou incorretamente cerca de 500 mil veículos a gasolina nos Estados Unidos entre 2009 e 2017.

A revista, que não citou sua fontes, disse que a montadora não conseguiu revelar atualizações de softwares conforme exigido pelas autoridades reguladoras americanas e agora pode enfrentar multas.

A Volkswagen não foi encontrada para comentar quando contactada pela AFP.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP