Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(10 set) Mulher de López participa de uma entrevista coletiva em Caracas

(afp_tickers)

Lilian Tintori, mulher do opositor radical venezuelano Leopoldo López, condenado a quase 14 anos de prisão por incitação da violência nos protestos antigovernamentais de 2014, convocou uma manifestação nesta sexta-feira, ao convocar para "tomar as ruas em paz" no próximo 19 de setembro.

"Eu os convoco desde hoje (...) para que saiamos no próximo sábado, 19 de setembro, para reconstruir nossa vitória, tomar as ruas em paz e em democracia, sob uma estrita disciplina não violenta", disse Tintori através de um megafone em uma praça no leste de Caracas.

Tintori chegou ao local vindo da prisão militar de Ramo Verde, nos arredores da capital venezuelana, aonde seu marido voltou esta madrugada por incitar a violência nos protestos contra o governo de Nicolás Maduro.

Os protestos deixaram 43 mortos e milhares de feridos entre janeiro e maio de 2014.

Cercada por dezenas de simpatizantes que gritavam "Sim, podemos!", Tintori fez a convocação depois de ler uma carta enviada pelo político do cárcere, na qual escreveu: "não me arrependo da decisão que tomei (...), as grandes causas exigem grandes sacrifícios".

Em sua mensagem, López insistiu em que está "convencido da bondade" de sua causa, "que não é outra que a libertação de todo um povo que hoje sofre as dolorosas consequências de um modelo que fracassou no [campo] econômico, no político e no social".

Aos 44 anos, o político formado em Economia e com mestrado em Harvard, chamou seus simpatizantes a se prepararem para as eleições legislativas convocadas para 6 de dezembro, nas quais pela primeira vez em 16 anos a oposição poderia tomar da situação a maioria legislativa, segundo pesquisas.

O dirigente, que forjou sua carreira como adversário do presidente Hugo Chávez (1999-2013), foi um dos promotores da estratégia conhecida como "A Saída", que consistia em pressionar a renúncia de Maduro por meio de protestos de rua, e se entregou às autoridades em 18 de fevereiro do ano passado.

AFP