Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A presidente Dilma Rousseff durante entrevista coletiva no Palácio do Planalto

(afp_tickers)

A Conferência Permanente de Partidos Políticos da América Latina (Coppal) rejeitou o que qualificou de "golpe institucional" em marcha contra a presidente Dilma Rousseff, em um comunicado divulgado nesta terça-feira, em Manágua.

O vice-presidente da Coppal, o nicaraguense Francisco Rosales, leu um comunicado que "rejeita qualquer tentativa desestabilizadora de minar a democracia" no Brasil.

A Coppal, que agrupa cerca de 60 partidos de esquerda, advertiu que um golpe institucional "é um fato que afeta toda a região", como ocorreu em 2009 em Honduras, e em 2012 no Paraguai, quando o Congresso destituiu um presidente eleito.

Entre os partidos que integram a COPPAL estão o Partido Institucional (PRI) do México, a Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN) da Nicarágua e o Partido dos Trabalhadores (PT).

No domingo passado, a Câmara dos Deputados aprovou o andamento do processo de impeachment contra Dilma, que a partir de maio poderá ser afastada da presidência pelo Senado para ser julgada por maquiar as contas públicas com as chamadas "pedaladas fiscais".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.









swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP