Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Autoridades sanitárias da Coreia do Sul confirmaram neste domingo 15 novos casos de infecção pelo coronavírus MERS

(afp_tickers)

Autoridades sanitárias da Coreia do Sul confirmaram neste domingo 15 novos casos de infecção pelo coronavírus MERS e advertiram que os próximos dias serão "críticos" para conter a epidemia.

Infecções decorrem de um homem de 68 anos que foi diagnosticado em 20 de maio, duas semanas após seu retorno de uma viagem ao Oriente Médio durante a qual visitou a Arábia Saudita, o principal foco da doença.

As outras 14 pessoas infectadas são seus parentes ou estiveram em contato com ele.

As autoridades também examinaram dezenas de pessoas que tiveram contato com o homem e 129 foram colocadas em isolamento.

"Nós fazemos tudo que é necessário para evitar a propagação da doença", explicou o ministro da Saúde, Moon Hyung-Pyo, em uma coletiva de imprensa e disse que a próxima semana será "crítica" para conter a epidemia MERSC-CoV (sigla em inglês para Síndrome Respiratória do Oriente Médio-Coronavírus).

Autoridades sul-coreanas foram criticadas por sua lentidão em identificar potenciais portadores após diagnosticar o primeiro infectado e por não ter evitado que um suspeito viajasse para a China.

O homem de 44 anos, cujo pai era portador do vírus, não respeitou as recomendações de prudência das autoridades e decidiu viajar para a China na terça-feira. Na sexta-feira foi declarado contaminado.

De acordo com o último relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS), foram registrados um total de 1.139 casos de infecção pelo MERS-CoV, 431 deles fatais, principalmente na Arábia Saudita.

O coronavírus MERS é considerado um parente mais mortal, mas menos contagioso do vírus que causa a síndrome respiratória aguda grave (Sars), que em 2003 deixou 800 mortos em todo o mundo.

Ambos os vírus causam uma infecção dos pulmões, febre, tosse e dificuldades respiratórias. Ao contrário do Sars, o coronavírus provoca falha renal e não tem qualquer tratamento preventivo. Segundo a OMS, 36% dos pacientes afetados morreram.

AFP