Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Um enfermeiro sul-coreano é visto com uma máscara em um hospital, em Seul, no dia 1 º de junho de 2015

(afp_tickers)

O ministério da Saúde sul-coreano anunciou nesta terça-feira, em Seul, que duas pessoas infectadas com o coronavírus MERS morreram no país, segundo a agência de notícias local Yonhap.

Uma mulher de 58 anos morreu na tarde de segunda-feira com insuficiência respiratória aguda e testou positivo para MERS, noticiou a agência, destacando que foi o primeiro caso fatal da doença no país.

A segunda vítima foi um homem de 71 anos que, segundo a fonte, teve o exame para o vírus positivo em 28 de maio, sem informar a data da sua morte.

Até a noite de segunda-feira, o coronavírus MERS havia infectado 25 pessoas na Coreia do Sul, incluindo as duas vítimas fatais.

O primeiro caso da doença foi detectado no dia 20 de maio, e o total de 682 pessoas expostas - direta ou indiretamente - ao vírus estão atualmente em quarentena ou sob observação, explicou o ministério da Saúde.

A origem dos casos de MERS na Coreia do Sul foi um homem de 68 anos, diagnosticado há duas semanas, após seu retorno do Oriente Médio, onde esteve por cerca de dez dias na Arábia Saudita, foco da doença.

As autoridades sul-coreanas são acusadas de reagir tardiamente para identificar casos potenciais após a descoberta do primeiro infectado.

O primeiro-ministro interino, Choi Kyung-Hwad, prometeu nesta terça-feira disponibilizar todos os esforços necessários para impedir o contágio e reduzir "o pânico crescente" entre a população do país.

Mais de 20 países - entre os quais Arábia Saudita, primeiro foco da infecção - foram afetados por este vírus, contra o qual não há vacina ou tratamento.

AFP