Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Jornalistas observam a invasão do Parlamento por partidários de Maduro

(afp_tickers)

A Procuradoria venezuelana denunciou o chefe militar responsável pela segurança do Parlamento por suposta violação dos direitos humanos depois que partidários de Nicolás Maduro feriram sete deputados opositores na sede do Legislativo, informou o Ministério Público nesta segunda-feira.

O coronel Bladimir Lugo, acusado pela oposição de cumplicidade por não ter agido para evitar a invasão, foi convocado para quinta-feira, anunciou a Procuradoria no Twitter, sem especificar a origem da acusação.

Em 5 de julho, cerca de 100 chavistas entraram no Palácio Legislativo e agrediram os parlamentares, enquanto detonavam bombas de efeito moral.

Após o ataque, dezenas de chavistas mantiveram o Parlamento cercado, impedindo a saída de deputados, jornalistas e funcionários por quase nove horas.

Em 28 de junho, Lugo protagonizou outro incidente ao retirar a empurrões de um gabinete da Assembleia Nacional o seu presidente, o opositor Julio Borges, após uma discussão que começou quando militar levavam caixas para o interior do edifício.

Maduro o condecorou no dia seguinte.

Lugo é o terceiro militar que o Ministério Público denuncia por supostas violações aos direitos humanos desde que a procuradora-geral, Luisa Ortega, rompeu com Maduro.

No final de junho, foram denunciados os generais Antonio Benavides Torres, ex-comandante da Guarda Nacional, e Gustavo González López, diretor do serviço de Inteligência.

Mas o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) - acusado de estar alinhado a Maduro - não aceitou as denúncias.

O TSJ também considerou Ortega em "desacato" e acolheu um recurso de Benavides.

Após a denúncia, Maduro condecorou Benavides e promoveu González.

Benavides foi retirado do comando da Guarda Nacional por Maduro em 20 de junho, um dia após a morte de um jovem de 17 anos baleado à queima-roupa por um militar em torno da base aérea de La Carlota, em Caracas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP