Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestantes contra Rafel Correa são vistos em 25 de junho de 2015, em Quito

(afp_tickers)

O presidente do Equador, Rafael Correa, admitiu neste sábado que os protestos da oposição deflagrados em 8 de junho passado representam a "crise política mais difícil" que já enfrentou em oito anos de governo.

"Esta é a crise política mais difícil, só comparada a de 30 de setembro" de 2010, quando um grupo de policiais se revoltou contra o governo, disse o presidente de esquerda em seu programa semanal de rádio e TV.

A revolta de 2010, que deixou dez mortos, é classificada oficialmente como uma tentativa de golpe de Estado, e vários policiais já foram julgados pelo episódio.

Correa reconheceu que os atuais protestos, que exigem sua renúncia, têm afetado sua popularidade, mas destacou que o governo está reagindo e recuperando o apoio da população.

O presidente enfrenta uma onda de protestos - envolvendo políticos, empresários, indígenas e setores das classes média e alta - deflagrada por um projeto para redistribuir a riqueza por meio da elevação dos impostos de renda e sobre heranças.

A oposição também rejeita uma emenda constitucional que tramita no Congresso, controlado pela situação, para permitir que Correa concorra a mais um mandato presidencial, em 2017.

AFP