Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Correa deixa a Assembleia Nacional após a cerimônia de posse

(afp_tickers)

O ex-presidente do Equador, Rafael Correa, disse neste sábado da Bélgica que o governo de seu ex-companheiro Lenín Moreno busca desabilitá-lo para uma eventual candidatura, e pediu a seus seguidores que "se rebelem" para defender sua gestão.

O ex-presidente expôs no seu programa "Enlace digital" transmitido por Facebook Live o que considera um plano para "destruir Correa e tudo o que lembra Correa".

"O objetivo final (é) desabilitar-me para outra candidatura", disse o ex-governante, que depois de uma década no comando do país não disputou as últimas eleições. Ele, pode, contudo, apresentar-se para as próximas, já que a Constituição do país permite a reeleição indefinida.

O ex-presidente disse que foi "ingênuo" ao confiar em Moreno, seu vice-presidente entre 2007 e 2013. "Sempre soubemos que era uma pessoa sem convicções, jamais imaginamos seu nível de deslealdade", expressou Correa em seu programa.

Correa, que tem 1,4 milhão de seguidores no Facebook e 3,2 milhões no Twitter, disse que este novo espaço nas redes sociais será usado "quando necessário".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP