Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(1995) Soldado holandês da ONU perto do enclave muçulmano de Srebrenica

(afp_tickers)

Uma Corte de Apelação holandesa determinou, nesta terça-feira (27), que o Estado holandês é parcialmente responsável pela morte de 350 muçulmanos durante o massacre de Srebrenica, em 1995, e ordenou o pagamento de indenização.

"A Corte considera que o Estado holandês atuou de maneira ilegal" e "condena o Estado a pagar uma indenização parcial" às famílias das vítimas, declarou o juiz Gepke Dulek.

O juiz acrescentou que os capacetes azuis holandeses facilitaram a separação de homens e garotos muçulmanos, "sabendo que havia um risco real de que teriam um tratamento desumano por parte dos sérvios da Bósnia".

Cerca de 8.000 homens e meninos muçulmanos foram mortos em 1995 durante o genocídio de Srebrenica, palco das piores atrocidades na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

As tropas holandesas, conhecidas como "Dutchbat", entrincheiradas em sua base, haviam acolhido milhares de refugiados no enclave das Nações Unidas.

Mas, sob grande pressão, primeiro fecharam as portas aos novos recém-chegados e depois permitiram que os sérvios da Bósnia evacuassem os refugiados. Os homens e os meninos foram então separados e colocados em ônibus.

"Dutchbat deveria ter prevenido esses homens sobre os riscos que estavam correndo e deveria tê-los deixado escolher permanecer no enclave enquanto sua família era evacuada", continuou o juiz.

No entanto, o Tribunal de Recurso condena o Estado holandês a pagar apenas 30% da indenização reclamada pelas famílias das vítimas, porque "não é certo que essas pessoas não seriam mortas mais tarde, mesmo que tivessem permanecido no enclave".

Um tribunal de primeira instância já havia decidido em 2014 que o Estado holandês era responsável pela morte desses 350 homens e meninos bósnios.

O Estado holandês havia recorrido da sentença, dizendo que ninguém poderia ter previsto um genocídio. Na Holanda, o papel dos ex-capacetes azuis holandeses continua a provocar polêmica.

Mais de 200 deles também pedem indenização do governo por terem sido enviados a Srebrenica para "uma missão irrealista em circunstâncias impossíveis", segundo as palavras de Jeanine Hennis-Plasschaert, ministra da Defesa.

"A partir de amanhã (terça-feira), 206 dos meus clientes vão exigir uma indenização de 22.000 euros cada", declarou seu advogado no programa de televisão Jinek segunda-feira à noite.

No total, o montante em indenização seria de aproximadamente 4,5 milhões de euros.

AFP