Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Costa Concordia chega ao porto de Gênova em 27 de julho de 2014

(afp_tickers)

O navio Costa Concordia chegou neste domingo arrastado por vários rebocadores ao porto de Gênova, onde será desmantelado, dois anos e meio depois de ter naufragado em um acidente no qual 32 pessoas morreram.

O esqueleto do barco, duas vezes maior que o Titanic, que primeiro foi endireitado e depois rebocado em uma delicada operação técnica, entrou no porto italiano depois de completar com sucesso sua viagem de 280 km a partir da Ilha de Giglio, onde havia naufragado.

O "gigante do mar" estava encalhado nesta ilha turística desde seu naufrágio, no dia 13 de junho de 2012, com 4.200 pessoas a bordo.

Durante quatro dias, o barco foi rebocado e transportado sem problemas, apesar dos temores de que pudesse poluir o mar com os líquidos tóxicos que ainda estão em seu interior.

"Tudo correu bem", declarou aos jornalistas o ministro italiano do Meio Ambiente, Gian Luca Galletti, embora tenha afirmado que hoje não é um dia de festa, lembrando as vítimas do naufrágio.

Durante a madrugada o Costa Concordia chegou em frente à costa de Gênova, onde começaram as operações preliminares para sua entrada no porto.

Também está prevista para este domingo uma nova manobra para imobilizar definitivamente o barco no porto de Gênova, indicou o chefe da defesa civil italiana, Franco Gabrielli.

A chegada de curiosos para ver a operação provocou congestionamentos em um trecho da estrada A10 que passa por cima do porto e, apesar da proibição, muitos carros estacionaram na beira da estrada para observar a embarcação.

Construído em 2006 nos estaleiros genoveses de Sestri Ponente, o retorno a Gênova do barco que foi o maior da história da marinha italiana coloca fim a uma trágica odisseia que também gerou um desafio técnico sem precedentes.

A operação, dirigida pelos estaleiros do Costa e efetuada pelo consórcio Titan-Micoperi entre Estados Unidos e Itália, consistiu primeiro em endireitar o navio, estabilizá-lo e por último rebocá-lo a Gênova.

As manobras custaram cerca de 1,5 bilhão de euros.

Reciclagem

Durante meses, o navio esteve encalhado e em parte submerso entre as rochas a poucos metros da costa da Ilha de Giglio, uma imagem que deu a volta ao mundo e colocou em xeque o prestígio da marinha italiana.

O naufrágio também evidenciou a covardia do capitão, Francesco Schettino, que abandonou o barco antes dos passageiros e está sendo julgado por homicídio culposo, naufrágio e abandono de navio.

"A operação não foi fácil (...) Mas foi realizada por uma Itália que, quando quer, é capaz de tudo e de nos surpreender positivamente", declarou o primeiro-ministro italiano, que se dirigirá neste domingo a Gênova.

Agora começará o processo de desmontagem e reciclagem deste gigante de 114.500 toneladas de peso. Acredita-se que entre 40.000 e 50.000 toneladas de aço possam ser reutilizadas pela indústria siderúrgica para fabricar materiais de construção, entre outros.

Também será possível reciclar os cabos elétricos de cobre, as máquinas, alguns móveis e as paredes de vidro. Alguns dos restos podem inclusive formar parte do Museu do Mar de Gênova.

A chegada da embarcação a Gênova, antiga potência marítima, dará trabalho a centenas de pessoas por cerca de dois anos.

AFP