Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Exército brasileiro em Brasília, no dia 25 de maio de 2017

(afp_tickers)

O governo expressou seu "repúdio" nesta sexta-feira (26) às críticas "tendenciosas" emitidas por órgãos de defesa dos direitos humanos da ONU e da Organização dos Estados Americanos (OEA), após as recentes intervenções policiais para reprimir protestos.

"O governo brasileiro repudia, nos mais fortes termos, o teor desinformado e tendencioso do comunicado conjunto de imprensa emitido hoje [sexta-feira] pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) e pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH)", informou o Itamaraty em um comunicado.

"Causa espanto a leviandade com que o ACNUDH e a CIDH fantasiosamente querem induzir a crer que o Brasil não dispõe de instituições sólidas, dedicadas à proteção dos direitos humanos e alicerçadas no estado democrático de direito", prossegue o Ministério das Relações Exteriores (MRE).

O ACNUDH e a CIDH condenaram nesta sexta-feira "o uso excessivo da força por parte da Polícia Militar para reprimir protestos e manifestações no Brasil", assim como "a violência policial em operações de segurança no espaço urbano e no marco do conflito de terras".

As duas entidades "instaram" o Estado brasileiro a "garantir o estrito cumprimento dos princípios gerais de legalidade, proporcionalidade e absoluta necessidade no uso da força em contextos de protesto social" e excluir "as armas de fogo (...) dos dispositivos utilizados" nessas ocasiões.

As duas organizações também "urgem as autoridades a investigar esses fatos e outros atos de violência, a fim de identificar e punir as pessoas responsáveis".

Na última quarta-feira (24), milhares de pessoas convocadas por sindicatos e partidos de esquerda tomaram a Esplanada, em Brasília, pela saída do presidente Michel Temer e contra as reformas trabalhista e da Previdência.

Grupos provocaram destruição em vários ministérios, dando lugar a uma violenta intervenção policial, que deixou 40 feridos, pelo menos um a bala.

Na própria quarta, Temer convocou o Exército para a "garantia da lei e da ordem" no Distrito Federal, recuando no dia seguinte, diante da série de críticas recebidas de diferentes setores da sociedade.

Críticas 'cínicas' e 'de má-fé'

A Polícia também foi criticada pela violenta operação no domingo (21) para desmontar a Cracolândia, em São Paulo.

Em sua resposta, o Itamaraty "lamenta que a ação das autoridades de São Paulo (...) seja capitalizada pela nota, cinicamente e fora de contexto, para fins políticos inconfessáveis".

O comunicado conjunto do ACNUDH e da CIDH se referiu, ainda, a uma intervenção policial que, na quarta-feira, deixou dez mortos em uma fazenda do Pará, durante uma investigação criminal, segundo a versão oficial, mas no âmbito de um conflito agrário, segundo a Comissão Pastoral da Terra (CPT).

"Recebeu-se informação preocupante sobre o uso recorrente da violência no marco do conflito agrário, em especial contra trabalhadores sem-terra", apontam as entidades.

Itamaraty afirma que a nota "beira a má-fé", com acusações sobre o conflito no Pará. Além disso, o incidente "já está sendo apurado por autoridade competente no quadro da legislação brasileira".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP