Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Banco Credit Suisse enviou memorando impedindo seus funcionários de negociarem títulos da Venezuela

(afp_tickers)

O Credit Suisse impediu seus operadores de negociarem alguns títulos do governo venezuelano e exigiu que outras transações ligadas à Venezuela passem por uma revisão especial para risco de reputação, disse um porta-voz do banco nesta quinta-feira.

De acordo com um memorando, o banco suíço ordenou que seus operadores não negociem dois títulos: um bônus da dívida de 2014 pela petrolífera estatal venezuelana PDVSA e títulos do governo venezuelano para 2036.

O Credit Suisse também recomendou que seus funcionários não realizem negociações emitidas após junho de 2017 pelo governo de Nicolás Maduro.

O banco também está proibindo transações com contrapartes controladas pelo governo ou entidades privadas venezuelanas, a menos que seja explicitamente aprovado pelo escritório de risco de reputação do banco.

Os movimentos ocorrem um dia depois de os Estados Unidos ter anunciado sanções econômicas a oito políticos venezuelanos ligados à polêmica Assembleia Constituinte impulsionada por Maduro, incluindo um irmão do ex-presidente Hugo Chávez.

Washington alega que a nova Assembleia Constituinte foi criada "através de um processo antidemocrático, instigado pelo governo do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, para subverter a vontade do povo venezuelano".

AFP