Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Um usuário de heroína prepara a aplicação da droga, em Burlington, EUA, no dia 6 de fevereiro de 2014

(afp_tickers)

O consumo de heroína e as mortes por overdose da droga estão aumentando rapidamente nos Estados Unidos, particularmente entre as mulheres - informaram nesta terça-feira as autoridades sanitárias norte-americanas.

Mais de 8.200 pessoas morreram por overdose de heroína em 2013, quase o dobro da quantidade de mortes registradas apenas dois anos antes, segundo relatório da Vital Signs divulgado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Além disso, o consumo de heroína entre mulheres duplicou desde 2002 ao alcançar 1,6 mulheres em cada 1.000 em 2013.

No mesmo período, o uso deste narcótico em termos gerais aumentou 50%, para 3,6 consumidores em cada 1.000 pessoas em todo o país.

Atualmente, cerca de 500.000 pessoas são dependentes de heroína nos Estados Unidos, explicou a jornalistas o diretor do CDC, Tom Frieden.

"O consumo de heroína está aumentando rapidamente em quase todos os grupos demográficos e, devido a este aumento, estamos diante de um aumento das mortes", disse.

"Cerca de uma em cada 50 pessoas viciadas em heroína podem morrer anualmente por causa da dependência", afirmou Frieden.

"Esta é uma proporção bastante elevada e debemos refletir sobre o perigo que é o vício em heroína e o risco de ter fontes de fornecimento de heroína cuja pureza pode mudar rapidamente". Frieden também alertou sobre o risco da administração intravenosa.

O informe do CDC se baseia numa análise de dados de 2002 a 2013 coletados na Pesquisa Nacional sobre Saúde e Consumo de Drogas.

Uma das razões-chave que explicam o aumento do consumo de heroína -- um derivado da morfina -- é o aumento de pessoas viciadas em medicamentos de uso controlado, que contêm os mesmos ingredientes ativos que a heroína, explicou Frieden.

Ele disse que alguns viciados em remédios têm a ideia equivocada de que podem usar heroína como um substituto dos analgésicos prescritos.

"Em geral, o que descobrimos é que quanto maior a taxa de consumo de opiáceos, maior é a taxa de consumo de heroína".

Outra razão, acrescentou Frieden, é o baixo custo desta droga que pode ser facilmente conseguida nas ruas: custa cinco vezes menos que um analgésico de uso controlado.

Na década estudada, as mortes por overdose de heroína quase quadruplicaram.

AFP