Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Un técnico examina o nível de contaminação de ovos no dia 7 de agosto de 2017 em Krefeld, na Alemanha

(afp_tickers)

França e Reino Unido foram atingidos pela crise do fipronil, um inseticida, após a chegada a estes países de ovos contaminados provenientes da Holanda, onde milhões de galinhas podem ser sacrificadas, informaram nesta segunda-feira.

A Bélgica, por sua vez, prometeu transparência depois de ter demorado a alertar sobre a contaminação.

A amplitude do escândalo foi divulgada na semana passada na Holanda, onde foram bloqueadas 180 granjas e ordenadas retiradas em massa, ao descobrirem que os níveis de fipronil, molécula utilizada para erradicar o ácaro vermelho nas galinhas, superava -em alguns casos de longe- os limites autorizados pela regulamentação europeia.

Em grandes quantidades o fipronil é considerado "moderadamente tóxico" para os humanos pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e está estritamente proibido nos animais destinados ao consumo humano.

Posteriormente, a crise saltou para Alemanha, Suíça e Suécia, onde foram retirados e destruídos milhões de ovos procedentes da Holanda, país que conta com quase 50 milhões de galinhas poedeiras.

No Reino Unido, a autoridade de segurança alimentar afirmou que "o número de ovos é muito limitado e o risco para a saúde pública muito pequeno, mas investigamos com urgência a sua distribuição".

O Ministério da Agricultura francês declarou que "13 lotes de ovos contaminados provenientes da Holanda" foram distribuídos entre empresas de transformação alimentar localizadas no oeste do país.

Alguns criadores holandeses já começaram a eliminar as suas aves.

Já foram sacrificadas 300.000 galinhas contaminadas que alcançavam a idade limite de 18 a 24 meses para a colocação de ovos, e por isso estavam excluídas do circuito de transformação alimentar habitual, segundo a organização agrícola holandesa LTO.

Entre um e vários milhões de galinhas poedeiras poderiam ter o mesmo destino se os criadores considerarem que não é rentável mantê-las vivas ao não haver saída para os ovos, advertiu o órgão no domingo.

Tanto na Holanda como na Bélgica há investigações penais sobre o uso fraudulento do fipronil. Na mira dos investigadores estão a empresa holandesa especializada em desinfecção de granjas ChickFriend, e seu fornecedor belga Poultry-Vision, segundo a imprensa.

AFP