Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Mulher segura cópia de carta enviada pelo presidente regional da Catalunha, Carles Puigdemont, ao primeiro-ministro Mariano Rajoy, em Barcelona, em 16 de outubro de 2017

(afp_tickers)

O chefe de governo espanhol, Mariano Rajoy, e o presidente catalão, o separatista Carles Puigdemont, trocaram cartas nesta segunda-feira (16) no âmbito da crise motivada pela pressão independentista das autoridades catalãs.

O governo central pediu a Puigdemont um esclarecimento formal sobre se declarou a independência em um confusa sessão parlamentar na última terça-feira (10). Em sua carta desta segunda, o presidente catalão se esquivou da resposta, e Rajoy deu um prazo para retificar seu posicionamento antes de quinta-feira (19) às 10h00 (06h00 de Brasília).

Estes são os trechos mais importantes das duas cartas:

- A carta de Carles Puigdemont:

Puigdemont indica que no referendo de autodeterminação de 1º de outubro, "mais de dois milhões de catalães encomendaram ao Parlamento (catalão) o mandato democrático de declaração da independência".

"A prioridade do meu governo é buscar com toda a intensidade a via do diálogo. Queremos conversar, como fazem as democracias consolidadas, sobre a questão que surge com a maioria do povo catalão querendo empreender seu caminho como país independente no contexto europeu".

"Durante os próximos dois meses, nosso principal objetivo é começar a dialogar e que todas as instituições e personalidades internacionais, espanholas e catalãs que expressaram sua vontade de abrir um caminho de negociação tenham a oportunidade de explorá-lo".

"Nossa proposta de diálogo é sincera, apesar de tudo o que aconteceu, mas, logicamente, é incompatível com o atual clima de crescente repressão e ameaça".

"Faço-lhe dois pedidos: o primeiro, que se reverta a repressão contra o povo e o governo da Catalunha".

"O segundo pedido é que concretizemos, o quanto antes, uma reunião que nos permita explorar os primeiros acordos. Não deixemos que a situação piore ainda mais. Com boa vontade, reconhecendo o problema e olhando-o de frente estou certo de que podemos encontrar o caminho da solução".

- A resposta de Mariano Rajoy:

"Lamento profundamente que você tenha, como presidente da Generalitat (governo catalão) e como representante ordinário do Estado na Catalunha (...), não esclarecer o extremo de se alguma autoridade da Generalitat declarou a independência da Catalunha".

"Espero que nas horas que restam até que se cumpra o segundo prazo do citado requerimento responda com clareza o que todos os cidadãos exigem e o direito requer. Prolongar esta situação de incerteza favorece somente aqueles que pretendem liquidar a concórdia cívica e impor um projeto radical e empobrecedor para a Catalunha".

"O requerimento que enviei a você supõe o passo anterior ao procedimento estabelecido no Artigo 155 da Constituição que, contra o que você afirma, não implica na suspensão do autogoverno, mas na restauração da legalidade na autonomia".

"O único conflito que existe na Catalunha neste momento é um conflito de legalidade. E somente acabando com ele poderemos abordar as questões que realmente afetam e preocupam o conjunto dos catalães".

"As últimas ações adotadas por você e seu governo estão gerando uma importante fissura na sociedade catalã, assim como uma enorme incerteza econômica que põe em risco o bem-estar dos cidadãos. Relembro a você que algumas agências de qualificação já estão considerando a possibilidade de que a Catalunha caia na recessão se essa situação de instabilidade se prolongar".

"Não se tornam críveis os seus chamados ao diálogo em nome do conjunto da Catalunha quando você se nega a falar com uma parte importante desta sociedade por meio de seus legítimos representantes".

"Ainda há margem para responder de forma clara e simples o requerimento que lhe enviei na quarta-feira passada. Continua estando em suas mãos abrir um novo período de normalidade e lealdade institucional que todo mundo está pedindo. Caso contrário, será você o único responsável pela aplicação da Constituição".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP