Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Vista de um cartaz com foto do papa Francisco afixado na parede de uma rua de Havana

(afp_tickers)

Católicos e 'santeros' (sacerdotes da Santeria) se reuniram neste domingo na Basílica de Nossa Senhora da Caridade, em Havana, para rezar e ajudar os pobres, atendendo a um chamado dos bispos com vistas à próxima visita do papa Francisco a Cuba.

O fervor pela visita do papa argentino - de 19 a 22 de setembro, em uma viagem que também o levará aos Estados Unidos - contribuiu para que as duas missas fossem mais concorridas do que o normal neste domingo, dia em que a Igreja católica celebra a Santa Rosa de Lima.

"Há uma expectativa singular" pela visita de Francisco, disse à AFP o pároco do santuário, Ariel Suárez, após abraçar e abençoar dezenas de fiéis depois da missa.

"Intuímos que o papa poderá se expressar bem aqui, que poderá se conectar bem e, ainda, porque ele traz uma fama realmente reconhecida por cristãos e não cristãos de ser um homem coerente, um homem preocupado com os pobres, um homem preocupado com as questões que tocam o mundo", acrescentou.

Neste santuário, situado em uma ruela do empobrecido município de Centro Havana, os fiéis se inscrevem para ver o pontífice no aeroporto internacional José Martí e assistir à missa que o papa vai celebrar na Praça da Revolução, em 20 de setembro, em Havana.

"Estou inscrito em uma lista porque aqui fazem uma lista das pessoas que vão ao aeroporto despedi-lo (quando for ao leste da ilha). Vamos à missa também, vamos à catedral", contou o fiel Ángel Díaz à AFP.

"Não vou a Santiago (de Cuba) porque é muito longe", acrescentou, em alusão à última cidade que o papa visitará antes de seguir viagem para os Estados Unidos.

"Francisco trará coisas boas"

Os cubanos apreciam Francisco não só por questões de fé, mas também pelo papel-chave que ele desempenhou nos contatos secretos que levaram à aproximação histórica entre Estados Unidos e Cuba, anunciada em dezembro.

"Embora diga que sua contribuição foi modesta, o papa (...) contribuiu de forma eficaz (...) para esta distensão entre os povos e os governos de Cuba e dos Estados Unidos, que se cristalizou com a reabertura de embaixadas nos dois países", em 20 de julho, disse o padre Suárez.

Esta aproximação despertou a esperança de que as penúrias econômicas que os cubanos vivem desde que começou o "período especial" (crise econômica), há 25 anos, sejam finalmente coisa do passado.

O fervor pela visita do papa contribuiu neste domingo para aumentar a venda de buquês de flores (principalmente girassóis presos a folhas de palma) em meia dúzia de postos instalados nas imediações do templo.

Uma das vendedoras, Raquel Gómez, disse esperar "coisas boas, coisas boas" da visita papal.

"O tempo é que se encarrega", acrescentou a mulher, repetindo uma expressão habitual entre aqueles que praticam a santeria, culto de origem africana muito difundido em Cuba e em outros países caribenhos.

Entre os presentes à missa havia várias pessoas, mulheres e homens, vestidos de branco, um sinal de que seguem a santeria, em uma ilha onde o sincretismo religioso remonta à época da colonização espanhola.

A arrecadação de dinheiro foi realizada neste domingo em toda a ilha, mas neste templo teve um significado especial porque a Nossa Senhora da Caridade do Cobre é a padroeira de Cuba.

O principal santuário da Caridade fica em El Cobre, povoado próximo de Santiago de Cuba, onde o papa celebrará a última das três missas programadas na ilha.

"Este santuário é muito especial, isto é, diríamos como El Cobre em Havana", explicou o pároco.

A Igreja Católica enfrentou momentos de tensão com o Estado comunista nos primeiros anos do governo de Fidel Castro.

Mas as arestas desapareceram em 1998 com a histórica visita do papa João Paulo II. Em 2012, Bento XVI também visitou Cuba.

AFP