Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

As bandeiras de Estados Unidos e Cuba são vistas em Havana, no dia 17 de março de 2016

(afp_tickers)

Cuba, que durante anos foi acusada pelos Estados Unidos de contribuir para o narcotráfico, se transformou agora em aliada de Washington ao assinar um acordo para enfrentar esse crime.

Funcionários dos dois países assinaram um "Acordo para a Cooperação Operacional" com "o objetivo de enfrentar o tráfico de entorpecentes e substâncias psicotrópicas", disse a chancelaria local em um breve comunicado.

"A reunião transcorreu em um clima de respeito e profissionalidade. Ambas as partes concordaram na utilidade do encontro e acordaram manter as conversas no futuro", concluiu.

O acordo sobre combate ao narcotráfico é o décimo-primeiro assinado entre os dois países desde que restabeleceram as relações diplomáticas em 20 de julho de 2015, após cinco décadas de desencontros e hostilidades.

Depois que um caso de narcotráfico em 1990 envolvendo altos oficiais cubanos, entre eles o general Arnaldo Ochoa e o coronel Antonio de la Guardia, os Estados Unidos acusaram as autoridades da ilha de promover essa atividade.

Ochoa e De la Guardia foram condenados à morte e executados depois de um julgamento televisionado. Seus cúmplices foram condenados a longas penas de prisão.

Cuba está no centro da rota da droga, entre a América do Sul e os Estados Unidos. Aviões de narcotraficantes voam sobre os mares ai norte da ilha, onde lançam pacotes de drogas, que são recolhidos por lanchas rápidas provenientes dos Estados Unidos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP