Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Raúl Castro participa de Cúpula dos Países Não Alinhados en 17 de setembro de 2016

(afp_tickers)

O presidente de Cuba, Raúl Castro, denunciou planos "subversivos e de ingerência" dos Estados Unidos que impedem a normalização das relações bilaterais, ao intervir neste sábado durante a cúpula do Movimento de Países Não Alinhados (NOAL, na sigla em inglês) na Venezuela.

Castro exigiu o final dessas ações que não detalhou, além da suspensão do embargo econômico vigente desde 1962 e a devolução do território de Guantánamo.

"Sem isso não poderá haver relações normais, como também não será possível se não se colocar fim a outras políticas ainda vigentes que são lesivas à soberania de Cuba, como os programas subversivos e de ingerência", declarou o líder de 85 anos na Isla Margarita.

Castro disse que o governo socialista quer ter "relações de convivência civilizada" com Estados Unidos, mas que não renunciará "a um só de seus princípios" nem realizará "concessões inerentes à sua soberania e independência".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP