Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Carros de origem soviética passam em frente ao restaurante soviético retrô Nazdarovie em Havana, no dia 16 de outubro de 2017

(afp_tickers)

Cuba recebeu 3,8 milhões de turistas até aqui neste ano, apesar dos transtornos causados pelo furacão Irma, e mantém a meta inédita de chegar a 4,7 milhões de visitantes até o fim de 2017, informou o governo da ilha comunista.

"Até 21 de outubro, chegaram a Cuba mais de 3,8 milhões de visitantes estrangeiros, e esta cifra permite almejar a cumprir com os 4,7 milhões previstos para 2017", garantiu o ministro de Turismo, Manuel Marrero, segundo uma publicação desta quinta-feira (26) no site Cubadebate.

O potente furacão Irma castigou, durante quatro dias, o litoral norte de Cuba em meados de setembro, onde estão os principais polos turísticos da ilha, com grandes prejuízos aos hotéis.

Naquele momento, havia mais de 54 mil turistas em Cuba, mas nenhum deles foi afetado, disse ele.

Apesar dos danos, Marrero disse que o país está pronto para começar a alta temporada em 1 de novembro, "porque o país tem todos os recursos para garantir todos os padrões necessários".

Para a alta temporada, Cuba conta com 366 hotéis, que somam 68 mil quartos, sendo 69,4% deles de quatro ou cinco estrelas.

"Dentro desse grande número de hotéis, temos mais de metade operando por 88 contratos com 20 cadeias internacionais, uma medida focada em preservar a nossa propriedade das instalações e tirar proveito da experiência de nossos parceiros estrangeiros", afirmou.

As cadeias espanholas Meliá e Iberoestar, que gerenciam mais de metade dos hotéis cubanos, emitiram comunicados garantindo que suas instalações estão preparadas.

Marreo disse que, na carteira de negócios que Cuba apresentará na semana que vem na Feira Internacional de Havana, há 140 projetos de turismo para investimento estrangeiro.

Estas oportunidades incluem a construção de campos de golfe e infraestruturas imobiliárias associadas.

"Em Punta Colorada (oeste), há um dos maiores projetos da América, com uma duração total de duas décadas, a construção de um terminal de cruzeiros, cinco hotéis com mais de mil quartos no total e outras 20 mil unidades imobiliárias", afirmou.

Mas "a ideia é projetada para nos dar lucros graduais desde os primeiros anos", acrescentou.

Marreo disse que o turismo cubano é desenvolvido com base no cuidado e na preservação do meio ambiente.

"Também dedicamos 5% de todos os nossos investimentos à questão ambiental e usamos três quartos de todos os resíduos hoteleiros em alimentos para animais", afirmou.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP