Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Homem vende bandeiras cubanas em Little Havana, Miami

(afp_tickers)

Cuba conseguiu captar, neste ano, mais de 2 bilhões de dólares em investimentos estrangeiros, apesar da tentativa do governo de Donald Trump de reforçar o embargo americano, informou nesta segunda-feira (30) o ministro cubano de Comércio Exterior e Investimento Estrangeiro, Rodrigo Malmierca

"Até aqui no ano, foram aprovados negócios com investimento estrangeiro por um montante total de capital comprometido superior aos 2 bilhões de dólares", destacou o ministro, ao inaugurar a 35ª edição da Feira Internacional de Havana.

Além disso, "há vários projetos em fase avançada de negociação, que têm possibilidades reais de se concretizar antes do fim do ano", acrescentou.

Ele destacou que "isso mostra que apesar das tentativas do governo dos Estados Unidos de reforçar o bloqueio (embargo vigente desde 1962) e tentar isolar Cuba, nosso país continua despertando um crescente interesse como destino de investimentos estrangeiros".

Malmierca destacou que esses "avanços modestos" em matéria de investimento estrangeiro acontecem em "setores estratégicos da economia", como as energias renováveis, o turismo, a construção, a mineração e a prospecção petroleira".

Cuba aprovou, em 2014, uma nova lei de investimento estrangeiro, mas nos dois anos seguintes o fluxo de capital estrangeiro somou apenas 1,5 bilhão de dólares, o que motivou pedidos do presidente Raúl Castro para desburocratizar a gestão e agilizar os processos.

Segundo cálculos oficiais, a ilha precisa de entre 2 bilhões e 2,5 bilhões de dólares anuais de investimento estrangeiro direto para reforçar a sua cautelosa abertura econômica e garantir um crescimento sustentado.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP