Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Homem exibe a bandeira curda em manifestação a favor da independência, no aeroporto de Erbil, capital do Curdistão iraquiano, em 29 de setembro

(afp_tickers)

O Irã proibiu o transporte de produtos petroleiros de e para o Curdistão iraquiano, em resposta ao referendo de independência realizado na segunda-feira passada por essa região autônoma - informou a imprensa estatal neste sábado (30).

Todas as companhias de transporte e os motoristas receberam a determinação de deixar de transportar produtos petroleiros refinados entre o Irã e o vizinho Curdistão "até nova ordem", anunciou o site da rede de televisão pública Irib, citando uma diretriz do Ministério dos Transportes.

A determinação foi aprovada na quarta-feira, de acordo com uma cópia publicada ontem pela agência de notícias Tasnim.

"Em razão dos recentes acontecimentos regionais e da ordem do Departamento de Fronteiras e do contra-ataque do Ministério do Interior, as companhias de transporte internacionais e os motoristas devem evitar carregar e transportar produtos petroleiros de e para a região iraquiana do Curdistão, até nova ordem", indica o texto, citado pela imprensa iraniana.

O Irã é um dos principais exportadores para o Curdistão iraquiano de petróleo refinado usado como combustível. O volume das transações nesse setor é de 5 bilhões de dólares ao ano, segundo a rede IRIB.

Já o Curdistão produz e exporta cru, atividade que responde por praticamente toda sua receita.

O Irã, onde vive uma minoria curda, opôs-se ao referendo de independência realizado por Erbil na segunda, temendo que isso possa despertar aspirações separatistas entre os curdos de seu território.

Teerã já havia tomado outras medidas de represália, ao suspender os voos para o Curdistão iraquiano.

A independência foi aprovada por mais de 90% dos votos no referendo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP