Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Um navio de carga passa por baixo da Ponte das Américas no Canal do Panamá, em 12 de agosto de 2014.

(afp_tickers)

Em 1887, o depois célebre pintor francês Paul Gauguin passou cinco semanas no Panamá, onde quase morreu como operário na construção do Canal, e protagonizou incidentes como ao receber uma multa por urinar na rua.

Muitas curiosidades marcam a história do gigantesco Canal do Panamá, que, depois do fracasso dos franceses, foi construído pelos Estados Unidos e inaugurado há 100 anos, no dia 15 de agosto de 1914.

- O pintor pós-impressionista sofreu ao contrair disenteria e malária enquanto trabalhava nas obras do Canal. Ele se recuperou e seguiu para a Martinica. Teve um destino melhor que as milhares de pessoas que morreram na construção da via.

- O governo dos Estados Unidos utilizou na construção uma força de trabalho de 56.000 pessoas, sendo quase 30.000 das Antilhas. Outras dezenas de milhares teriam trabalhado na tentativa dos franceses.

- Durante a construção, mais de 27.000 trabalhadores morreram, principalmente de malária e febre amarela, e em acidentes: pelo menos 22.000 morreram no projeto francês e mais de 5.000 nas obras dos Estados Unidos.

- Os franceses acreditavam que as mortes eram provocadas por gases tóxicos liberados no trabalho de escavação, pois não conheciam na época a etiologia das duas doenças.

- O volume de terra escavado foi o triplo do registrado no Canal de Suez. O material retirado na construção equivale a 95 milhões de metros cúbicos, suficiente para construir uma réplica da Muralha da China de San Francisco até Nova York.

- O vapor Ancón foi o primeiro barco a atravessar o Canal do Panamá em 15 de agosto de 1914.

- O maior pedágio para atravessar o canal custou 317.142 dólares e foi pago pelo MSC Fabienne em 2008; o menor, de 36 centavos dólar, foi pago por Richard Halliburton por atravessar o canal a nado em 1928.

- Um barco que viaja de Nova York a San Francisco economiza 12.668 milhas utilizanso o Canal do Panamá, ao invés de contornar o Cabo de Hornos. Do porto equatoriano de Guayaquil a Nova York, a economia chega a 7.540 km.

- A maior carga foi transportada pelo navio Arco Texas em 1981, com 65.229 toneladas de petróleo.

- O tempo médio que uma embarcação leva para cruzar o canal é de 10 horas. A passagem mais rápida foi feita pelo Hydrofoil Pegasus da Marinha americana, em 2 horas e 41 minutos.

- Em 100 anos de operação, mais de um milhão de barcos atravessaram o canal.

Fonte: Autoridade do Canal do Panamá (ACP).

AFP