Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Sede do Banco Central do Brasil, em Brasília, no dia 29 de maio de 2012

(afp_tickers)

O déficit primário do setor público consolidado - União, estados e municípios - em junho no Brasil chegou a 19,552 bilhões de reais, subindo para 2,62% do Produto Interno Bruto (PIB) segundo anúncio do Banco Central (BC) nesta sexta-feira.

O indicador a 12 meses chegou ao seu pior nível desde de setembro de 2016, mostrando o difícil caminho que o governo terá pela frente para cumprir a meta fiscal de 2017, prevista em um déficit de 143,1 bilhões de reais, 2,1% do PIB.

Segundo especialista, esse é um objetivo difícil de alcançar, apesar dos leves sinais de recuperação que a economia tem dado.

No primeiro semestre, o déficit primário foi de 35,183 bilhões de reais, equivalente a 1,1% do PIB, o pior resultado em 16 anos, bem superior aos 23,776 bilhões no mesmo período de 2016, quando equivalia a 0,78% do PIB.

Em junho, o Governo Central teve déficit primário de 19,937 bilhões de reais, enquanto os governos regionais e as empresas estatais tiveram superávit modesto de 240 e 145 milhões, respectivamente.

AFP