Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O site Ashley Madison tem mais de 33 milhões de usuários

(afp_tickers)

Dados roubados de quase 32 milhões de usuários do site Ashley Madison, que organiza encontros extraconjugais e que foi vítima de um ataque de hackers em julho, foram disponibilizados on-line nesta terça-feira, informou a revista Wired.

Os dados roubados, que incluem os valores pagos, e-mails e números de telefone dos usuários do site, foram disponibilizados no que a Wired descreveu como face oculta da rede, ou a "dark web".

O site Ashley Madison sofreu no mês passado um ataque, com o roubo dos dados de muitos usuários, executado por um grupo autodenominado "The impact team".

O grupo ameaçou publicar os dados dos clientes, fotos de usuários nus e conversas, caso o site não encerrasse as atividades.

Na madrugada de terça-feira para quarta-feira começaram a cumprir as ameaças, segundo a Wired.

O site Ashley Madison, que tem como slogan "A vida é curta. Tenha um caso" e que tem mais de 37 milhões de usuários, é especializado em encontros extraconjugais. Usuários de 46 países estão cadastrados no site, criado em 2001.

A Avid Life Media, proprietária do site, afirmou em julho que um "terceiro não autorizado" havia acessado os dados do Ashley Madison.

A empresa informou que contratou imediatamente uma das melhores equipes do mundo em segurança virtual para atenuar o ataque.

A Avid Life Media, com sede no Canadá, ressaltou que trabalhava com as autoridades para identificar os responsáveis pelo que chamou de "ato de ciberterrorismo".

Os hackers anunciaram na terça-feira: "Explicamos a fraude, o engano e a estupidez da Avid Life Media e de seus membros. Agora todos podem ver seus arquivos".

AFP